Entenda por que Trump quer reconhecer Jerusalém como capital de Israel

trunfo

Tradução: Pedro Augusto
Publicação original: Breitbart Jerusalém

O Antigo Testamento da Bíblia conta no livro Segundo a Samuel, capítulo cinco, como o rei Davi conquistou a cidade e a tornou capital do Reino de Israel, há mais de 3.000 anos. Depois, no livro de Primeiro a Reis, o capítulo oito descreve como o filho de Davi, o rei Salomão, construiu o Templo Sagrado e colocou a Arca da Aliança lá. Desde então, os judeus sempre usaram Jerusalém como local de suas orações diárias. É o centro da fé judaica e o núcleo de sua história.

A Bíblia também conta a história de como os judeus foram exilados de Jerusalém pelos babilônicos  e depois voltaram e reconstruíram o Templo. Outro exílio aconteceu após 70 dC, quando os romanos destruíram o Segundo Templo e a própria cidade. Ainda assim, muitos judeus permaneceram orando em todo o mundo por 2 mil anos para um retorno a "Zion". Os judeus foram o maior grupo étnico em Jerusalém há quase 200 anos e uma maioria desde meados do século XIX.

Jerusalém também é sagrada para os cristãos e para os muçulmanos, embora seja menos central para qualquer um. E sob a soberania israelense, todas as religiões gozaram da liberdade de adoração em seus respectivos locais sagrados. O Monte do Templo - ou Haram ash-Sharif, para os muçulmanos - só foi fechado quando houve ameaças de segurança iminentes, já que os radicais às vezes usaram esse local sagrado para atacar os judeus que adoravam no Muro das Lamentações - a última parte remanescente do Templo.

Os judeus começaram a retornar à região em grande número no final do século XIX como parte do movimento sionista, que visava restabelecer Israel como um estado moderno e como um refúgio para os judeus perseguidos da Europa. Em 1917, o governo britânico apoiou o estabelecimento de uma "casa nacional" judaica, no que era então chamado de Palestina (embora os árabes da região não se chamassem de palestinos), em terras sob controle britânico desde a Primeira Guerra Mundial.

A comunidade judaica de Jerusalém, então, expandiu-se para além da Cidade Velha e desenvolveu bairros a oeste. Em 1947, as Nações Unidas votaram para aprovar a partição da Palestina a oeste do rio Jordão em dois estados - um judeu e um árabe. Jerusalém deveria ser uma cidade internacional, não sob o controle de nenhum dos lados. Os judeus aceitaram o plano e declararam a independência em 1948; os árabes rejeitaram o plano e declararam a guerra.

Durante essa guerra, as forças árabes lutaram para romper a conexão entre a comunidade judaica em Jerusalém e as mais a oeste. Havia apenas uma estrada para Jerusalém e estava constantemente sob ataque. Na Cidade Velha, os combatentes judeus foram eventualmente invadidos pelas tropas jordanianas - o que, treinado pela Grã-Bretanha, era o melhor do mundo árabe. Jordan ocupou a Cidade Velha e achatou o bairro judeu, limpando etnicamente seus habitantes.

De 1948 a 1967, Jerusalém foi dividida em duas partes. No lado oeste, Israel estabeleceu sua capital em uma cidade moderna. No lado oriental, Jordan governou a Cidade Velha e os bairros árabes circundantes da Cisjordânia. Nunca houve discussão sobre o estabelecimento de um Estado palestino na Cisjordânia ou uma capital palestina em Jerusalém. Aos judeus foram negados o acesso aos locais sagrados da Cidade Velha, especialmente o Muro dos Ocidentais.

Na Guerra dos Seis Dias de 1967, Israel - sob ameaça direta de destruição pelos estados árabes ao redor - ganhou uma vitória surpresa e assumiu o controle da península do Sinai, da Cisjordânia e dos Altos do Golã. As tropas israelenses também conquistaram toda Jerusalém, reunindo-a e libertando a Cidade Velha. Mas os estados árabes ainda se recusaram a negociar com Israel, e a maioria dos países se recusou a colocar suas embaixadas lá por medo de antagonizar os palestinos.

Na década de 1990, quando as negociações formais começaram entre Israel e os palestinos, Jerusalém foi uma das questões mais difíceis - mais difícil do que as questões das fronteiras e dos refugiados palestinos. Embora o Congresso tenha aprovado o Ato da Embaixada de Jerusalém em 1995, deu ao presidente o poder de assinar uma renúncia a cada seis meses, atrasando o movimento da embaixada. A ideia era preservar o status quo em Jerusalém para não comprometer as negociações de paz em curso.

Mas como os funcionários da administração explicaram aos repórteres na terça-feira, depois de mais de duas décadas, ficou claro que o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel não era um obstáculo real para a paz. Era claro para todos que a parte ocidental de Jerusalém, pelo menos, estaria sob a soberania israelense em qualquer acordo de paz concebível. A ideia de que toda a cidade seria negociada era pouco mais do que uma concessão para as demandas palestinas mais extremas.

Como tal, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel e movendo a embaixada dos EUA, há apenas um reconhecimento da realidade. Mas também é uma decisão corajosa, mostrando que os EUA ficarão em pé com nossos aliados, independentemente de ameaças terroristas.

A decisão do presidente Trump também representa uma garantia da soberania israelense em pelo menos parte de Jerusalém. Como tal, representa o cumprimento de milhares de anos de oração judaica e mais de um século de esforços sionistas para estabelecer e proteger um estado judeu na antiga pátria do povo judeu.

Não é exagero dizer que, para os judeus, o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel é um evento de significado quase bíblico. E somos testemunhas disso.

O Congressista precisa de sua ajuda. Nos faça uma doação através de nosso apoia.se
Entenda por que Trump quer reconhecer Jerusalém como capital de Israel Entenda por que Trump quer reconhecer Jerusalém como capital de Israel Reviewed by O Congressista on 15:36:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

Tecnologia do Blogger.