Só há uma saída para o RJ: destruir os quarteis terroristas


Por Wilson Oliveira

Esses dias postei aqui no meu perfil que em termos de segurança pública não é mais possível esperar algo de bom para o Rio de Janeiro no mandato do "governador" Luiz Fernando Pezão. Também não poderemos esperar nada que venha de um político comum tal qual os que governaram o estado nas últimas décadas.

As autoridades que assumiram o controle da segurança pública fluminense são incapazes de pensar e propor algo diferente. Na verdade, teve um que pensou fora da caixinha: José Mariano Beltrame. Ele elaborou um ousado projeto de pacificação das comunidades, que no início parecia que ia vingar, mas que depois acabou sendo um fracasso retumbante. Fora isso, temos apenas mais do mesmo. Uma polícia sem estrutura tomando tiro na cara, depois o exército e a força nacional chegam, melhoram um pouquinho, vão embora e tudo volta a estaca zero.

Se algum futuro governador do RJ quiser chegar perto de resolver alguma coisa nesse tema espinhoso, ele precisará destruir os quarteis das centenas de células terroristas (é disso que se trata) instaladas na cidade. É politicamente incorreto dizer isso, mas será necessário colocar as favelas abaixo, claro, antes tirando os moradores de lá. Óbvio que se trata de algo profundamente delicado e complexo. Mas medidas padrões já se mostraram totalmente ineficazes.

A favela é um local onde morre gente - por bala perdida ou por qualquer outro motivo - em proporção absolutamente muito maior que em qualquer outro ponto do País. É onde o poder público não entra, onde não há serviço de esgoto, onde escola é refúgio de criminosos, onde o tráfico é a única coisa que ostenta autoridade e poder, onde o futuro dos cidadãos é assassinado junto com as vidas que perdemos todo santo dia. O glamour da cultura na favela vendido pela esquerda é totalmente falso.

As áreas dos morros cariocas precisam urgentemente ser retomadas pelo poder público. E estamos falando apenas da primeira medida. É claro que depois seriam necessárias várias outras, principalmente de caráter econômico. Hoje, a maioria dos jovens que vive nas favelas vê mais perspectiva entrando para o tráfico do que entrando para escola. Essa realidade também precisa ser modificada. Mas isso é posterior, pois vai atacar o depois de amanhã. Agora, precisamos atacar o hoje!

A grande dúvida é se teremos algum candidato ao governo do estado com colhão para falar da realidade assim, sem nenhuma maquiagem. Porque só alguém muito corajoso para enfrentar de frente (repito) inúmeras células terroristas que mandam e desmandam no Rio de Janeiro.


*Wilson Oliveira é defensor do retorno da monarquia parlamentar no Brasil. É conservador monarquista, com influências da tradição anglo-saxã do liberalismo clássico, do minarquismo, da Escola Austríaca e da Escola de Chicago. Reside no Rio de Janeiro, é jornalista e editor-chefe de O Congressista.
Só há uma saída para o RJ: destruir os quarteis terroristas Só há uma saída para o RJ: destruir os quarteis terroristas Reviewed by Wilson Oliveira on 22:24:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

Tecnologia do Blogger.