Brasil e sua ética seletiva dos falsos isentões


Por Carlos Fernando Giroto

Ética e moralidade pra que? Ou seria melhor perguntar pra quem? Me assusta ver alguns, ainda que minoritários, quebrando o bom senso moral e de justiça em nome de uma causa ideológica corrompida. Quando a corrupção foi exposta e não conseguiram segurar a sangria da corrupção, alguns se diziam isentos, que não era a linha auxiliar a um partido, a um líder.

Entendo agora, que é verdade, eles eram a própria linha de frente. Utilizam meias verdades, ilações, distorcendo a seu favor cada uma das narrativas impostas, afinal de contas, pensam que estão do "lado do bem", mesmo que relativizando de tempos em tempos. As necessidades da população, a justiça em si são esquecidas, pois o que vale é  sua própria visão construída através de uma ideologia retrógrada. Já que para elas, não importa mais o preço, custo, pra se valer o seu próprio mundo democrático imaginário.

No Brasil corrompido, apenas um lado tem todas as virtudes e soluções da humanidade e o outro? "Fascista" !? A cegueira toma conta, quando provas, não viram prova; Julgador vira réu e o acusado o juiz. Não importa mais que você fale, prove, com vídeo, áudio ou papel. O  braço nunca irá torcer, pois não quer acordar de um sonho fantasiado. Nem que isso custe a intolerância dos que pregam as tolerâncias, autoritários, dos que pregam democracia e pluralidade. Sangue derramado ou amigo bloqueado.

Se é pra vencer no grito, com imagens que não condizem com a realidade e suas montagens de narrativas, a história vós calará. Veja quanto prejuízo tivemos com líderes populares ao longo do tempo e que achavam estar acima do bem e do mal. Líderes estes que se corromperam com a ganância do poder em nome de uma só cobiça: "Ser ele próprio, o principal condutor da melhoraria vida do povo".

Falsos demagogos, mitos em nome da alma mais honesta do mundo, jurarão de pé junto que vai ser nosso salvador. Mas quem vai nos salvar destes mentirosos e prepotentes? Migalhas não são suficientes, para o problema que eles mesmos têm causado. O valor comprado, está está em seus bolsos, literariamente. Quebram as nossas pernas, para serem a salvação? Eu dispenso.

Quando um dos maiores líderes do jogo sujo é apresentado, preso, encarcerado, é dito como Salvador? Que ética é essa? Seria o famoso rouba mais faz!? ou jeitinho brasileiro de ver o mundo!? ... Não, não foi por causa dos Estados Unidos, nem adversários políticos e muito menos por causa de um canal de televisão ou uma série. Foi ele, e apenas ele que armou o circular esquema podre para  sanar sua sede do poder, que se autodestruiu.

Nossos princípios e valores são o que nos fizeram avançar como sociedade, por isso que não sejamos cego ou estúpidos pra cair em papinho de mais um malandro. Único que pode fazer a diferença nesse país e em nossas vidas, somos nós, cada indivíduo. E não, não existe e nunca existira salvadores da pátria, pois eles só querem uma coisa: O poder ilimitado.

E a pergunta que fica é.. Qual o preço da sua ética? a justiça deve ser para todos e não relativizada a alguns, principalmente aos poderosos.
Brasil e sua ética seletiva dos falsos isentões Brasil e sua ética seletiva dos falsos isentões Reviewed by O Congressista on 23:50:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

Tecnologia do Blogger.