15 fatos que você precisa saber sobre o Mais Médicos


Por Cesar Oliveira

1- Fui 5 ou 6 vezes a Cuba. Coordenei um curso de Medicina público, por 5 anos. Caso alguém ache que existe lá a condição para formar médicos na quantidade que forma (22 faculdades, 6 anos), com o domínio de tudo e a atualização que a Medicina exige, hoje, é porque acredita que a ilusão é mais forte que a lógica, ou que foco em medicina preventiva, em assistência básica, são, realmente, a panaceia para todas as doenças e todo conjunto de competências que um médico precisa.

2- O sistema de saúde está longe da realidade vendida, com escassez absoluta de remédios, intervenções, e assistência (grande parte obtida com pequenos favores aos médicos, ou apoio de Miami), exceto nas clínicas para a elite, como militares e turistas (sim, existem).

3- O sistema de saúde brasileiro só precisou do Mais Médicos porque foi incompetente, vil, indigno, em realmente promover um sistema de saúde efetivo para o Brasil. É o mesmo sistema que fechou, inclusive, mais de 30 mil leitos.

4- Os médicos cubanos trabalham em regime análogo à escravidão, ou forçado, com a maior parte dos recursos (70%) retidos pela ditadura, e, especialmente, com as famílias retidas em Cuba, sem direito a escolhas. Quando começaram ganhar na Justiça brasileira o direito de se asilarem Cuba cortou as asas do programa.

5- Nenhum direito a menos. Se queremos isso para os brasileiros é indigno que apoiemos que a instituição governo faça acordos com países que não agem dessa forma e aceitemos que "cidadãos sem direitos venham cuidar dos nossos cidadãos com direitos". É um processo civilizatório, em que todos somos responsáveis. A não ser que tenhamos dupla personalidade

6- Caso eu vá trabalhar em qualquer lugar do mundo terei de provar que sou capacitado, fazer testes, e mesmos os brasileiros que formaram fora do país, tem de fazer isso. Ou a lei é para todos ou para ninguém. Relativizar, é inadmissível.

7- À moda de Bond, o 007, incrivelmente, os médicos cubanos têm "licença para matar", pois não estão submetidos as normas do Conselho Federal de Medicina, não têm de prestar contas de erros, aliás, nem haverá relatos de erros.

8-Há médicos cubanos bons? Sim, é claro. Vários. Muitos já passaram por outros países onde tiveram oportunidade de atualização e aprendizado e tem bom desempenho, mas há também muitas limitações.

9- Médicos brasileiros estão submetidos ao CFM. Precisam de estrutura para atendimento e garantia de pagamento. Posso relatar um caminhão de casos de médicos que não receberam das Prefeituras ou em que as promessas das condições de atendimento não foram cumpridas. Nenhum médico vai atender sem garantias e suporte, para ganhar processos em seu currículo. Os cubanos aceitam ir porque não correm riscos e não têm alternativas, já que a ditadura cubana os obriga

10- A proposta de Bolsonaro é justa: Revalida (se há saber, não há problema. 459 cubanos já revalidaram seu diploma), salário integral (ver impostos) e liberdade para as famílias. É curvar muito a espinha acreditar que pagamento e liberdade são ameaças, exceto se for para um ditador.

11- Os médicos cubanos, apesar das limitações e de poucos recursos, prestam um bom serviço em 1500 municípios sem médicos? Claro que sim. Nosso sistema é tão selvagem que mesmo esse pequeno cuidado faz bastante diferença. Oferecer qualquer assistência a desassistidos é útil; aceitar que desassistidos tenham apenas assistência médica útil, é indecência. Vale lembrar que 59% dos médicos do programa são brasileiros, e seu papel não merece o desprezo com que é tratado.

12- O início do Mais Médicos buscou unir o útil ao agradável: oferecer algum tipo de médico aos brasileiros desassistidos, o que é válido (mas em muitas cidades os prefeitos tiraram o médico que havia para receberem o cubano, mesmo onde não era necessário) e, principalmente, repassar recursos a falida ditadura cubana.

13- A retirada súbita dos médicos, por Cuba, ao invés de progressivamente, tem o mesmo viés político. Criar dificuldade ao presidente eleito, afinal, o PT prestou bons serviços aos Castro, com largos investimentos e poucas garantias. Aliás, Cuba está há meses sem pagar o que deve.

14- Caso Cuba fosse uma democracia, não trataria seus médicos como mercadoria. Aceitaria a proposta de Bolsonaro de asilo e deixaria que cada médico escolhesse: ficar ou voltar e ter direito de trazer sua família. Não acredito que quem faça tanto discurso contra a ditadura que Bolsonaro representa, aceite a ditadura para os irmãos cubanos, cidadãos que merecem todo nosso respeito e o direito de ir e vir, como nós.

15- A má administração da saúde gerou o caos; ao invés de resolução, fizeram um paliativo, remendo ideológico; retirado o remendo fica escancarado o erro da origem; voltando ao caos, teremos sofrimento até resolvermos o problema, mas não podemos construir um sistema de saúde decente com remendos.


*Dr. Cesar Oliveira é professor e ex-coordenador do curso de Medicina da Universidade Estadual de Feira de Santana, no estado da Bahia
15 fatos que você precisa saber sobre o Mais Médicos 15 fatos que você precisa saber sobre o Mais Médicos Reviewed by O Congressista on 22:27:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

Tecnologia do Blogger.