Exposição à cannabis altera o perfil genético dos espermatozoides


Publicação original: Duke University Medical Center
Tradução: Wilson Oliveira

À medida que o acesso legal à maconha continua se expandindo pelos EUA, mais cientistas estão estudando os efeitos de seu ingrediente ativo, o tetrahidrocanabinol (THC), em adolescentes, adultos e mulheres grávidas.

Uma nova pesquisa da Duke Health sugere que os homens em seus anos férteis devem também considerar como o THC pode afetar seus espermatozoides e, possivelmente, as crianças que eles concebem durante os períodos em que estão usando a droga.

Assim como pesquisas anteriores que mostraram que a fumaça do tabaco, pesticidas, retardadores de chamas e até mesmo a obesidade podem alterar o esperma, a pesquisa da Duke mostra que o THC também afeta a epigenética, provocando mudanças estruturais e regulatórias no DNA do esperma dos usuários.

Experimentos em ratos e um estudo com 24 homens descobriram que o THC parece ter como alvo genes em duas principais vias celulares e altera a metilação do DNA, um processo essencial para o desenvolvimento normal.

"O que descobrimos é que os efeitos do uso de cannabis nos machos e sua saúde reprodutiva não são completamente nulos, em que há algo sobre o uso de cannabis que afeta o perfil genético dos espermatozoides", disse Scott Kollins, Ph.D., professor em psiquiatria e ciências comportamentais em Duke e autor sênior do estudo.

"Ainda não sabemos o que isso significa, mas o fato de que mais e mais jovens do sexo masculino têm idade legal para ter acesso à cannabis é algo que deveríamos pensar", disse Kollins.

Pesquisas nacionais mostraram um declínio constante no risco percebido de uso regular de maconha. Isso, combinado com a demanda e a ampla disponibilidade de maconha criada especificamente para gerar maior conteúdo de THC, tornam essa pesquisa especialmente oportuna, disse Kollins.

O estudo definiu usuários regulares como aqueles que fumaram maconha pelo menos semanalmente nos seis meses anteriores. Seus espermatozoides foram comparados com aqueles que não usaram maconha nos últimos seis meses e não mais do que 10 vezes em suas vidas.

Quanto maior a concentração de THC na urina dos homens, mais pronunciadas foram as alterações genéticas em seus espermatozoides, descobriram os autores.

O THC pareceu afetar centenas de genes diferentes em ratos e humanos, mas muitos dos genes tinham algo em comum - eles estavam associados a duas das mesmas principais vias celulares, disse a principal autora Susan K. Murphy, Ph.D., professor associado e chefe da Divisão de Ciências da Reprodução em obstetrícia e ginecologia na Duke.

Um dos caminhos está envolvido em ajudar os órgãos do corpo a atingir seu tamanho total; o outro envolve um grande número de genes que regulam o crescimento durante o desenvolvimento. Ambas as vias podem se tornar desreguladas em alguns tipos de câncer.

"Em termos do que isso significa para a criança em desenvolvimento, simplesmente não sabemos", disse Murphy. Não se sabe se o espermatozoide afetado pelo THC pode ser saudável o suficiente para fertilizar um óvulo e continuar seu desenvolvimento em um embrião, disse ela.

O estudo foi um ponto de partida sobre os efeitos epigenéticos do THC no esperma e é limitado pelo número relativamente pequeno de homens envolvidos no estudo, disse Murphy. Os achados em homens também podem ser confundidos por outros fatores que afetam sua saúde, como sua nutrição, sono, uso de álcool e outros hábitos de vida.

A equipe da Duke planeja continuar sua pesquisa com grupos maiores. Eles pretendem estudar se as mudanças no esperma são revertidas quando os homens param de usar maconha. Eles também esperam testar o sangue do cordão umbilical de bebês nascidos de pais com espermatozoides alterados pelo THC para determinar quais, se houver alterações epigenéticas, são transportadas para a criança.

"Sabemos que há efeitos do uso de cannabis nos mecanismos regulatórios do DNA do esperma, mas não sabemos se podem ser transmitidos para a próxima geração", disse Murphy.

"Na ausência de um estudo maior e definitivo, o melhor conselho seria assumir que essas mudanças estarão lá", disse Murphy. "Não sabemos se eles serão permanentes. Eu diria, por precaução, que pare de usar cannabis por pelo menos seis meses antes de tentar engravidar."

Além de Kollins e Murphy, os autores do estudo incluem Nilda Itchon-Ramos, Zachary Visco, Zhiqing Huang, Carole Grenier, Rosa Schrott, Kelly Acharya, Marie-Helene Boudreau, Thomas M. Price, Douglas J. Raburn, David L. Corcoran, Joseph E. Lucas, John T. Mitchell, F. Joseph McClernon, Marty Cauley, Brandon J. Hall e Edward D. Levin.

A pesquisa foi apoiada por uma bolsa da "John Templeton Foundation".
Exposição à cannabis altera o perfil genético dos espermatozoides Exposição à cannabis altera o perfil genético dos espermatozoides Reviewed by Wilson Oliveira on 22:28:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

Tecnologia do Blogger.