Em entrevista após ataque, líder da direita alemã fala em "tentativa de assassinato"

Arte: Fellipe Villas Bôas

Por Ricarda Breyton
Publicação original: WELT
Tradução: Wilson Oliveira

O deputado de direita Frank Magnitz recebeu alta após dar entrada no hospital com ferimentos graves decorrentes de uma agressão. O chefe da AfD de Bremen conta a WELT como está se sentindo. Ele também explica por que exclui a versão da agressão ter sido uma tentativa de assalto e como o registro de imagem veio a público imediatamente após o ataque brutal.

WELT: Como você está se sentindo após ter recebido alta do hospital?

Frank Magnitz: As circunstâncias são boas. Mas certamente terei que lutar com as conseqüências do ataque por um tempo. Não é só o ferimento na cabeça. Toda a minha metade esquerda do corpo está coberta de escoriações e contusões. No pescoço, os músculos foram severamente afetados. Eu também tenho distúrbios de equilíbrio maciço e tonturas.

WELT: Você tem alguma lembrança do crime?

Magnitz: Não, eu não me lembro do ocorrido para valer. Tudo o que sei foi o que contou o artesão que me salvou. Ele me disse que eu havia sido perseguido por três pessoas. Estes pareciam muito suspeitos para ele, porque puxaram os capuzes cobrindo todo o rosto. Então ele observou que me atacaram com uma madeira quadrada e depois me chutaram enquanto eu estava deitado no chão.

WELT: Como aconteceu essa comunicação para o seu partido ter divulgado que foi uma "tentativa de assassinato" logo após o ataque?

Magnitz: Eu contei essa história para o meu pessoal e pedi que postassem imediatamente um comunicado de imprensa com uma foto dos meus ferimentos. O termo "tentativa de assassinato" não está errado. Afinal, eu poderia ter morrido ao mesmo tempo.

WELT: Partiu de você a ideia de publicar as fotos?

Magnitz: Sim. Para mim foi importante mostrar como a realidade é brutal. Nossa experiência é que os ataques a políticos ou instituições como o meu partido AfD encontram pouco eco na mídia. Com uma imagem impactante, queria ter certeza de que conseguiríamos atenção.

WELT: A polícia avaliou o material de um vídeo e diz que não houve ataque com uso de objeto. Eles acreditam que você foi espancado e depois derrubado e descartam sua versão de "tentativa de assassinato".

Magnitz: Esses são problemas jurídicos. Não foi uma briga que surgiu de uma discussão. Eu fui atacado por trás e poderia ter sido morto. É por isso que continuo falando de uma "tentativa de assassinato".

WELT: O vice-presidente do seu partido diz que é um ataque de "esquerdistas". A polícia ainda não tem descobertas. O que você acha?

Magnitz: Eu compartilho da opinião. O ataque tem a marca de extremistas de esquerda. Um roubo definitivamente não é.

WELT: O jornal "Bild" foi outro a dizer que também poderia ter sido um assalto.

Magnitz: Isso foi dito apenas teoricamente. Claro, teoricamente também poderia ser um assalto. Mas eu definitivamente não acho que foi assim.

WELT: O que você quer dizer quando afirma que o ataque tem a marca de extremistas de esquerda?

Magnitz: Há apenas uma maneira que os extremistas de esquerda têm para lidar com pessoas de direita. Nós já temos experiência com isso. Uwe Junge, chefe da AfD no estado de Rheinland Pfaltz, teve o osso nasal quebrado por extremistas de esquerda. Eu nunca tinha sido agredido fisicamente antes. No entanto, tenho experimentado ataques verbais violentos durante manifestações e eventos. Este é o resultado de um ódio permanente contra a AfD.

WELT: A AfD já sabe o que vai fazer em decorrência do incidente? O seu partido vai pegar mais leve verbalmente a partir de agora?

Magnitz: O AfD não se apressa. Esse tipo de escalada verbal só pode ser encontrado do outro lado do espectro político.
Em entrevista após ataque, líder da direita alemã fala em "tentativa de assassinato" Em entrevista após ataque, líder da direita alemã fala em "tentativa de assassinato" Reviewed by Wilson Oliveira on 11:23:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

Tecnologia do Blogger.