EUA já estão prontos para intervenção militar na Venezuela

Arte: Fellipe Villas Bôas

Por Tom Rogan
Publicação original: Washington Examiner
Tradução: Wilson Oliveira

O presidente Donald Trump está suscetível a enviar forças militares dos EUA para a Colômbia antes do dia 23 de fevereiro, data em que foi convocada uma grande marcha para receber a ajuda humanitária na Venezuela. Mas de onde poderiam vir essas forças? Uma resposta possível é a "Theodore Roosevelt Carrier Strike Group", e a 11ª Unidade Expedicionária da Marinha (MEU), que embarcou no USS Boxer (navio de assalto anfíbio da classe Wasp).

Atualmente operando no porto de San Diego, no leste do Oceano Pacífico, as embarcações da Marinha dos EUA estão a aproximadamente de 5 a 7 dias de navegação das águas colombianas, que estão a pouco mais de 640 quilômetros da fronteira venezuelana. Dentro da escala fácil da asa de ar do portador, e embora eu não tenha certeza se o USS Theodore Roosevelt está em treinamento operacional ou de pré-implantação, um porta-voz da Marinha me diz que o Boxer e o 11º MEU estão em "operações de rotina".

Essa descrição significa em prontidão para iniciar combate. Correspondentemente, visto que o propósito expresso de uma MEU é oferecer capacidade de implantação rápida, a presença do Boxer perto da Colômbia chama a atenção.

De fato, um MEU é exatamente o tipo de unidade que se encaixaria na missão de defender os interesses dos EUA e da Colômbia ao longo da fronteira venezuelana. Formados em torno de um batalhão de infantaria com um pelotão blindado (tanques), elementos de logística e comando, as MEU's também possuem forças de aviação com ataque e transporte de helicópteros, e caças a jato Harrier ou F-35B.

No entanto, com a falta de força de combate da brigada, uma implantação da MEU na Colômbia também representaria um equilíbrio apropriado entre dissuadir o regime de Nicolas Maduro e ameaçar a invasão. Mesmo assim, não podemos esquecer o grupo de transportadoras Theodore Roosevelt.

E na costa leste da Flórida, o grupo Abraham Lincoln Carrier Strike está atualmente em exercícios de treinamento pré-desdobramento. Embora seja incomum, os porta-aviões podem ser chamados para o serviço de emergência, mesmo durante o treinamento pré-desdobramento. O ponto simples aqui é que os EUA poderiam ter dois porta-aviões na faixa operacional da Venezuela dentro de uma semana.

Uma significativa presença naval e marinha dos EUA está agora operando nas proximidades da Colômbia e da Venezuela. Seja por coincidência ou não, essas implantações proporcionam à Casa Branca uma gama crescente de opções.
EUA já estão prontos para intervenção militar na Venezuela EUA já estão prontos para intervenção militar na Venezuela Reviewed by Wilson Oliveira on 11:16:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

Tecnologia do Blogger.