Esquema da mídia russa para destruir países tem Sérgio Moro como alvo


Redação O Congressista

O assunto mais debatido nas ultimas semanas foi as supostas conversas do ministro Sérgio Moro. Enquanto o senhor Glenn Greenwald fazia seu show para a imprensa militante e a esquerda, outro ator desse grotesco teatro fazia sua parte no exterior. Com a matéria da revista IstoÉ trazendo revelações dos membros da Polícia Federal essa ligação ficou mais clara ainda.

“Os agentes da Polícia Federal já identificaram conexões no Brasil, em especial em Santa Catarina, e no exterior, com o suposto envolvimento de agentes na Rússia e até em Dubai, nos Emirados Árabes. Segundo agentes ouvidos por IstoÉ, a PF pode estar perto de alcançar os responsáveis pelo hackeamento ilegal, o que, se confirmado, constituiria uma bomba capaz de provocar uma reviravolta no caso”.

Um desses elos com a Rússia seria o hacker protegido de Vladimir Putin, Evgeny Mikhailovich Bogachev, que é o criador do vírus Cryptolocker e do código Zeus. Bogachev é procurado pelo FBI americano por crimes cibernéticos. De acordo com a revista IstoÉ, um rastreamento identificou que Slavic ou “lucky12345”, como é conhecido, teria recebido US$ 308 mil em bitcoins.

Em entrevista a CBS, membros do governo americano falaram sobre Evgeny.

“Ele é o cibercriminoso mais prolífico, mais perigoso e mais famoso da história” Diz Dave Hickton. 

Dave Hickton é o ex-advogado dos EUA em Pittsburgh, que supervisionou a investigação do governo a Bogachev, que começou em 2009.

CBS: No começo, você sabia alguma coisa sobre suas conexões com o governo russo?

Dave Hickton: Nós estávamos muito no escuro sobre quem ele era, onde ele estava. Ele era um fantasma na internet de forma eficaz. 

Um fantasma sem morada ou nacionalidade conhecida que utilizou os apelidos online de "Slavik" e "lucky12345". O que se sabia era que ele havia criado um programa de computador que lhe permitia roubar as credenciais online das vítimas, que ele usava para drenar suas contas bancárias. Foi chamado de "Gameover ZeuS".

CBS NEWS

Uma das pistas que levaram os EUA a descobrirem o conluio com Evgeny era que o vírus não atacava computadores russos, e não é incomum que vírus do tipo que Evgeny criava não tivessem como alvo seus países de origem. Com essa pista em mãos, eles decidiram criar uma armadilha para Evgeny, fazendo ele infectar computadores que chamaram de “potes de mel” para rastrear toda a movimentação que passava pela rede de Evgeny.

Tom Burt: Uma vez que tivemos essa informação e entendemos como a rede funcionava, nós a demos ao FBI. Eles então tiveram muito trabalho para fazer antes que pudessem identificar quem era o verdadeiro vilão.

Foi então que uma fonte deu a ultima pista, um e-mail utilizado pelo grupo hacker era de origem russa.

"Eu acho que cada vez mais hoje, o governo russo é um sindicato criminoso". 
Dave Hickton 

O endereço de e-mail era como lucky12345 se comunicava com seu sindicato criminoso. E conectando muitos pontos, o FBI finalmente conseguiu identificar o idealizador como Evgeniy Bogachev, um homem de 30 anos (na época) cujo último endereço conhecido era em Anapa, uma cidade turística russa no Mar Negro. Fotos on-line mostram-no em seu barco, com sua esposa e com seu gato de bengala manchado em seus pijamas correspondentes. Os federais finalmente encontraram seu homem.

Enquanto isso, eles analisaram seu servidor de computador onde, segundo o ex-funcionário do Departamento de Justiça John Carlin, eles viram que Bogachev havia começado a procurar alvos fora de suas atividades criminosas.

John Carlin: Nós os vimos fazendo coisas assim antes que a Rússia invadisse a Ucrânia, vimos a mesma rede sendo usada para coletar informações sobre a Ucrânia. E vimos termos como "Top Secret" ou "Departamento de Defesa" sendo usados ​​como termos de pesquisa ou consultas.

CBS: Departamento de Defesa dos EUA?

John Carlin: Sim.

CBS: Em quais outras agências ele estava investigando?

John Carlin: Houve consultas direcionadas ao FBI.

CBS: Por que o FBI?

John Carlin: Parece que eles estavam procurando informações que poderiam usar para comprometer ou tentar transformar agentes do FBI.

Tudo isso levou autoridades de segurança nacional dos EUA a concluirem que Bogachev havia se tornado um ativo da inteligência russa, embora os investigadores norte-americanos não tivessem nenhuma prova concreta de Moscou dirigindo-o. Eles obteriam provas em outro caso, envolvendo este ladrão cibernético russo, Alexsey Belan, que foi indiciado em 2017 junto com dois oficiais de inteligência russos encarregados de dirigi-lo. Disse John Carlin ao final da entrevista:

“Eu acho que cada vez mais, hoje o governo russo é um sindicato criminoso. É um estado desonesto quando se trata de atividades cibernéticas e está causando danos a países, empresas e pessoas em todo o mundo” 
Fica claro a manobra russa envolvendo hackers no mundo todo, mas no Brasil isso ganha um novo ator: a mídia. Além da cobertura da imprensa saudosista do período Lula, esse “sindicato do crime” ganha um aliado de peso, o sistema global de comunicação russa, como os sites Rússia Today e Sputnik News, que pertencem ao governo russo.

Como a mídia brasileira estava com dificuldades para criar alguma narrativa convincente para atacar o presidente Bolsonaro, nas palavras do próprio Glenn Grenwald, ao que parece, foi preciso pedir ajuda ao “sindicato do crime” capitaneado por Vladimir Putin.

Rússia Today

Tanto o Rússia Today como o Sputnik News cobrem as notícias da América Latina. O Rússia Today possui toda uma programação em espanhol, e o Sputnik faz sua cobertura também em português.

Ambos os sites têm grande aderência com o público, e com parceiros pouco suspeitos para a maioria, mas sempre servindo para levar a perspectiva russa e de seus aliados para o público.

Tudo isso acontece num momento sensível para Vladimir Putin. Recentemente ele declarou que a Rússia passa por problemas econômicos. E o Brasil sempre privilegiou uma parceria econômica desastrada com a Rússia, que sempre trouxe grandes prejuízos. E seria de total interesse de Putin garantir a subserviência do Brasil nesse momento, o que realmente não faz o tipo do atual governo.


Para Putin, restam poucas opções, e o PT, parceiro dos russos até nos momentos mais difíceis, sabe disso. Tanto que estiveram lá recentemente para falar sobre o “cenário político brasileiro”. Curiosamente, a viagem ocorreu no mesmo período em que ocorreram os atos de hackers russos contra o ministro Moro.

A trama internacional ganha contornos cada vez mais claros.
Esquema da mídia russa para destruir países tem Sérgio Moro como alvo Esquema da mídia russa para destruir países tem Sérgio Moro como alvo Reviewed by Villas Boas on 21:36:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

Tecnologia do Blogger.