Presidente da OAB é acusado de comprar votos no Pará e de favorecer o PT


Por Wilson Oliveira

Nesta segunda-feira, Felipe Santa Cruz, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, entrou definitivamente nas manchetes da grande mídia após o presidente Jair Bolsonaro afirmar que falaria como o seu pai, guerrilheiro da Ação Popular, grupo marxista da época do Regime Militar, sumiu. Mas a verdade é que o atual mandatário da OAB já foi motivo de algumas matérias, nada positivas.

Em janeiro de 2018, o site "Poder 360" noticiou que Felipe Santa Cruz era acusado de comprar votos no Pará. De acordo com o site, o então presidente da OAB do Rio Janeiro autorizou o gasto de R$ 120 mil da seccional do Rio para a confecção de 17 mil agendas destinadas a advogados da OAB do Pará. Ainda de acordo com Poder 360, o caso foi denunciado por Álvaro Quintão, presidente do Sindicato dos Advogados do Estado do Rio de Janeiro.

E se hoje Santa Cruz movimenta inúmeros companheiros para fazer bastante barulho sobre a postura do presidente Jair Bolsonaro, a verdade é que o presidente da OAB também não é um exemplo de classe nem decoro. Por meio de uma publicação no Twitter, ele já chamou advogados brasileiros de "filhos da puta".

De acordo com o site O Antagonista, em maio deste ano, Santa Cruz bateu boca com advogados após postar sobre um evento de fake news que contou com a participação dos ministros Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski. Na ocasião, Santa Cruz respondeu a um dos seus oponentes na discussão: “Pelo menos eu sei quem é meu pai. Os filhos da puta não costumam saber (...) Você sabe quem é seu pai?".

Outro caso ainda mais curioso, também publicado por O Antagonista, diz respeito a um contrato que o presidente da OAB teria com a Petrobras no valor de 2,5 milhões de reais. Na nota de O Antagonista, também há a informação que a Petrobras, defensora da Lava Jato, encerraria tal contrato.

O fato da Petrobras ser favorável à Lava Jato recai sobre outra acusação que Felipe Santa Cruz enfrenta: a de usar a OAB para lutar contra a maior operação de combate à corrupção do Brasil e também para atacar seus principais nomes, como o ministro Sérgio Moro e o juiz Marcelo Bretas. Essa postura inclusive já fez advogados prepararem o impeachment de Santa Cruz.

Em fevereiro deste ano, Santa Cruz defendeu o fim da Lava Jato em entrevista para a Folha de S. Paulo. Ele afirmou que "o Judiciário, assim como qualquer outro Poder, deve responder pelos seus erros. Os crimes, quando e se praticados, devem ser levados à Justiça. Não devemos fazer da Lava Jato um livro em fascículos interminável".

Em outra publicação, O Antagonista trouxe a informação que Felipe Santa Cruz chamou Sergio Moro de chefe de quadrilha, também neste ano de 2019, assim como em outro momento, em que o presidente da OAB chamou o juiz Marcelo Bretas de "vedete", e a Lava Jato do Rio de "partido político".

Logo após o ataque de Santa Cruz a Bretas, o Movimento Advogados do Brasil divulgou um manifesto para repudiar as declarações do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz. O texto dizia que Santa Cruz “continua usando a instituição para manifestar seu posicionamento político pessoal, atacando a maior operação de combate à corrupção, a Operação Lava Jato”.

Ao que parece, Felipe Santa Cruz está acostumado a sair atacando seus desafetos, do jeito que quer, mas desta vez ele recrimina Bolsonaro, como se o presidente da OAB fosse um exemplo de liturgia pelo cargo que ocupa.

Estamos nos esforçando para mostrar as coisas boas que os conservadores estão fazendo pelo Brasil. Se você nos ajudar, poderemos publicar mais artigos como esse. Visite o nosso Apoia.se!
Presidente da OAB é acusado de comprar votos no Pará e de favorecer o PT Presidente da OAB é acusado de comprar votos no Pará e de favorecer o PT Reviewed by Wilson Oliveira on 23:05:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

Tecnologia do Blogger.