Após abandonar grupo de Maia, partido Republicanos anuncia apoio a Arthur Lira

22:11:00 0 ''


Por Wilson Oliveira

O bloco parlamentar liderado por Rodrigo Maia (DEM), presidente da Câmara dos Deputados, está ficando cada vez mais frágil. Nesta quarta-feira, Marcos Pereira (na foto), presidente do partido Republicanos e que chegou a ser cotado para ser o candidato no grupo de Maia, anunciou que sua legenda vai apoiar Arthur Lira (PP), candidato do Governo Bolsonaro.

Na semana passada, Pereira chegou a anunciar que concorreria à presidência da Câmara de forma independente, sem apoio do governo nem de Maia. Nesta quarta, em entrevista à CNN Brasil, o deputado afirmou que seu partido decidiu apoiar Lira por descobrir que Rodrigo Maia havia vetado o seu nome para a disputa. 

Obter apoio do Republicanos é uma grande vitória para Arthur Lira, pois o partido conta com 31 deputados federais, além de também ser o partido do senador Flavio Bolsonaro e do vereador pelo Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro, ambos filhos do presidente Jair Bolsonaro. 

Rodrigo Maia, que havia prometido anunciar o candidato do seu grupo no início desta semana, segue sem definir um nome. Os favoritos são Aguinaldo Ribeiro, que pretende concorrer a contragosto do seu partido, o PP, e Baleia Rossi, que pertence ao MDB, partido que o Palácio do Planalto está tentando atrair para a sua base. 

O provável motivo para Maia ainda não ter anunciado o nome do seu grupo se deve a uma negociação que ele mantém com os partidos de esquerda (PT, PCdoB, PDT e PSB) para que apoiem a candidatura do seu bloco. Apesar dessa negociação, cerca de 18 deputados do PSB planejam votar em Arthur Lira independente da decisão que for tomada pela liderança da legenda. 

O PSOL é o único partido esquerdista que se negou a negociar apoio com o grupo de Rodrigo Maia e pretende lançar uma candidatura própria. Emissários do PT e do PCdoB, no entanto, tentam convencer os psolistas a se juntarem aos outros partidos de esquerda nas conversas com o atual presidente da Câmara. 

O site O Congressista segue acompanhando os desdobramentos das articulações para candidaturas às presidências da Câmara e do Senado.