Cresce insatisfação dentro do PSDB, e Doria começa a ficar isolado

12:30:00 0 ''


Por Wilson Oliveira

Está cada vez maior o clima de insatisfação dento do PSDB com o governador de São Paulo João Doria. A bola da vez a demonstrar contrariedade, inclusive publicamente, foi a senadora Mara Gabrilli, que em 2018 foi um dos principais cabos eleitorais de Doria.

Gabrilli ficou profundamente irritada com a decisão do governador em cortar verba da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Outra medida que gerou preocupação para a senadora foi a retirada de isenção no IPVA para carros de pessoas com deficiência física.

Mara Gabrilli tem 53 anos, mas é paraplégica desde os 26, em decorrência de um acidente automobilístico. Em entrevista ao jornal "Estado de S. Paulo", ela revelou que chegou a fazer um PowerPoint explicativo para convencer Doria e não promover os cortes.

“Se não é desconhecimento, desculpe, só pode ser crueldade”, declarou.

Prefeitos e deputados tucanos contra Doria

Não é apenas no Senado que João Doria vê seu apoio interno no partido ruir. Os prefeitos tucanos do litoral paulista não seguiram as determinações do governador de São Paulo durante as festas de fim de ano. 

De acordo com o que foi definido por Doria, todo o estado de São Paulo deveria ficar sob a bandeira vermelha nos dias 1º, 2 e 3 de janeiro, o que significaria praias e comércios totalmente fechados, com permissão apenas para as atividades essenciais. 

Ocorre que Alexandre Barbosa, prefeito de Santos, Felipe Augusto, prefeito de São Sebastião, Alberto Pereira Mourão, de Praia Grande, Luiz Maurício, de Peruíbe, Ademario da Silva Oliveira, de Cubatão, Caio Matheus, de Bertioga, e Marco Aurélio, de Itanhaém não fecharem o comércio nas suas cidades. Marcus Melo, prefeito tucano de Mogi das Cruzes, na região metropolitana, também contrariou a decisão do governador e manteve as atividades comerciais em funcionamento.

Por fim, a Câmara dos Deputados também reserva desaprovação entre os tucanos às escolhas de João Doria. Aliado de Rodrigo Maia (DEM), o governador paulista está por trás da articulação da candidatura de Baleia Rossi (MDB) para enfrentar Arthur Lira (PP), nome apoiado pelo presidente Bolsonaro, na eleição da Casa.

No entanto, embora o PSDB faça parte da coligação de Rossi, boa parte da bancada tucana ficou constrangida por ter que fazer parte da mesma chapa que os partidos da esquerda, principalmente o PT. De acordo com informações obtidas pelo jornal Gazeta do Povo, cerca de 22 deputados tucanos irão trair Baleia, Maia e Doria e votar em Arthur Lira.

Se a situação de João Doria não está boa entre os cidadãos dos estado de São Paulo, parece estar ficando cada vez pior entre os seus correligionários. Após anunciar a fase vermelha, o governador marcou uma viagem para Miami. Nem é preciso dizer como essa notícia foi recebida por todos...