Patriota é o partido com mais chances de receber filiação de Bolsonaro


Por Wilson Oliveira, Lucas Fraternais e Raul Prudens

O Patriota disparou na bolsa de apostas como partido mais provável para receber a filiação do presidente Jair Bolsonaro. A informação, inicialmente publicada por alguns sites nesta sexta-feira, foi confirmada por O Congressista neste sábado. Fontes ligadas ao Planalto revelaram que a legenda é a que mais agrada o clã Bolsonaro. 

O motivo para o Patriota largar na frente de PP, PTB e Republicanos é o fato de aliados do presidente assumirem o comando de diretórios estaduais sem grandes dificuldades, o que é considerado essencial para Jair Bolsonaro, pois ao contrário de 2018, ele quer que pessoas da sua inteira confiança articulem as candidaturas para deputado federal, senador e governador na eleição de 2022.

"No PP, PTB e Republicanos esquece, são partidos cheios de vícios igual o PSL. Veríamos a repetição dos mesmos problemas que vimos em 2018 caso o presidente se filiasse em algum desses partidos", revelou a fonte procurada por O Congressista

"Mas isso não quer dizer que vamos nos afastar desses partidos. São legendas grandes, que agregam muito apoio no Congresso Nacional e que faremos de tudo para que estejam aliadas ao Patriota quando essa filiação for oficializada", completou a fonte.

O Congressista também entrou em contato com uma fonte ligada ao Patriota, que revelou não haver nada acertado entre partido e Jair Bolsonaro. Além disso, essa fonte afirmou que a negociação não é tão simples como as pessoas imaginam.

"De 2017 pra 2018, o partido mudou o nome para Patriota e alterou o seu estatuto, que agora é 100% conservador, isso tudo pra receber o presidente Bolsonaro. Mas fomos chutados, pois um monte de gente de caráter duvidoso levou o presidente pro PSL", afirmou a fonte do Patriota. 

"Mesmo assim, continuamos apoiando a sua candidatura e agora estamos na base do governo, votando tudo de acordo com os desejos do Planalto. Mas para acontecer essa filiação, é preciso conversar com todo diretório nacional, não apenas com o presidente Adilson Barroso", concluiu a fonte, esclarecendo que a negociação precisa ir além de conversas entre Bolsonaro e o comandante do Patriota.

PSL corre o risco de encolher

Caso Jair Bolsonaro realmente se filie ao Patriota, duas questões importantes irão acontecer na Câmara dos Deputados: a migração de deputados bolsonaristas do PSL para o novo partido de Bolsonaro, o que só poderá acontecer no primeiro semestre de 2022. Isso afetará, por exemplo, a distribuição dos fundos partidário e eleitoral, além do tempo de TV. Enquanto o partido de Luciano Bivar perderá em todos esses quesitos, a legenda de Barroso sairá ganhando.

Nos tamanhos das duas bancadas na Câmara, a mudança será profunda. O PSL deve passar de 50 para 20 deputados, enquanto o Patriota passará de cinco para 35, tornando-se, portanto, uma das maiores bancadas. Isso fará com que o novo partido do presidente passe a ter uma voz mais decisiva na base do governo, dividindo o poder de decisão com o PP, que tudo leva a crer vencerá a eleição da Casa com o deputado Arthur Lira.    

Trump quer criar partido Patriota nos EUA

Fontes ligadas aos deputados bolsonaristas revelaram que os parlamentares mais fiéis a Bolsonaro estão bastante entusiasmados com a possibilidade de filiação ao Patriota, que é o partido preferido deles. Inclusive, alegam que esse movimento reforçará a ideia de criar uma liga de partidos conservadores nas Américas do Norte, Central e do Sul, com Donald Trump criando um partido com mesmo nome nos EUA.  

A ideia seria frear o crescimento esquerdista no partido Democrata nos EUA, além de enfraquecer o esquerdismo na América Latina, oferecendo ao povo de cada um desses países uma opção conservadora nas próximas eleições. Esse é um dos objetivos, por exemplo, do Instituto Liberal-Conservador, lançado por Eduardo Bolsonaro em dezembro do ano passado.