Kassab se movimenta para atrapalhar candidatura de Tarcísio Gomes em SP


Por Wilson Oliveira

Caiu como um balde de água fria no PT as declarações de Gilberto Kassab, presidente do PSD, de que o partido irá apoiar Geraldo Alckmin caso ele resolva disputar a eleição para o governo de São Paulo. Os petistas contavam que o partido poderia desistir da candidatura de Rodrigo Pacheco à presidência para filiar Alckmin e tê-lo na chapa de Lula como vice.

Agora, com esse direcionamento dado por Kassab, Lula e companhia, que antes viam com bons olhos a filiação de Alckmin ao PSD, torcem para que o ex-governador de São Paulo se filie ao PSB, um aliado mais próximo e mais histórico do PT, e, uma vez filiado ao partido socialista, aceite oficialmente ser vice de Lula. É um caminho, inclusive, que hoje aparece como bastante provável. 

Gilberto Kassab, por sua vez, não se sente atraído por essa ideia. O presidente do PSD confirmou que o partido está com "sua vida tranquila" sobre a eleição para presidente da república, por já ter anunciado Rodrigo Pacheco como pré-candidato, e que o apoio a Alckmin para o governo de São Paulo acontecerá independente da legenda que o (ainda) tucano escolher para se filiar. 

É importante salientar que ainda não está completamente descartada a hipótese de Geraldo Alckmin permanecer no PSDB e disputar o Senado por São Paulo, fazendo uma dobradinha com Rodrigo Garcia, pré-candidato tucano ao governo. A pressão dentro do partido para que Alckmin escolha essa opção está bem grande, reunindo adversários na disputa dentro da legenda, como apoiadores e contrários ao governador João Doria. 

>>> A direita precisa reagir com inteligência a essa perseguição!

O objetivo de Kassab, por sua vez, não é o de atrapalhar o caminho de Lula, embora isso vá acontecer caso Geraldo Alckmin resolva disputar o Palácio dos Bandeirantes. A intenção é de atrapalhar Tarcísio Gomes de Freitas, candidato dos sonhos do presidente Jair Bolsonaro e que terá caminho livre no PL para se lançar, caso essa seja a sua vontade. 

Fontes confirmaram a O Congressista que o PSD fez uma pesquisa para saber qual nome teria mais chances de herdar os votos de Geraldo Alckmin na eleição para governo de São Paulo. O levantamento mostrou Tarcisio liderando com folga, chegando ao primeiro lugar, podendo até ser eleito em primeiro turno. Daí a tentativa de convencer Alckmin a entrar na disputa paulista. O partido está convencido que Rodrigo Garcia corre o risco de ficar fora do segundo turno.

A leitura do PSD é bem objetiva e pragmática. O partido não se importa com quem será o novo governador de São Paulo, desde que seja alguém que abra as portas para a legenda de Kassab ganhar cargos no primeiro escalão do secretariado. Kassab e seus auxiliares partidários, entretanto, acreditam que se Tarcisio for o próximo chefe do governo paulista essa chance de importantes nomeações para o PSD está completamente descartada.

0 Comentários